Naohito Tsuge

(fundador do Grupo Tsuge)

Nasceu em 1947 num pequeno povoado do Japão, que passou a se chamar Toyota, por ser a cidade sede de uma das maiores fabricantes de automóveis do mundo.


Aos 36 anos, o pai de Naohito, Katsuo Tsuge, vendeu as terras que tinha no Japão para tentar vida nova aqui no Brasil, onde ele enxergava um futuro promissor. O destino da familia eram os cafezais no norte do Paraná. Com 7 anos, Naohito acompanhou o pai, a mãe Yoshi, dois irmãos mais novos e uma irmã mais velha.


Depois de um ano trabalhando como colono, o pai de Naohito comprou terras em Uraí/PR, nas quais ele depositou enorme esperança. Porém, os cinco alqueires de café acabaram sendo devastados pela forte geada que atingiu as lavouras do Paraná naquele ano de 1955. Foram tempos difíceis, vencidos com persistência, trabalho e a sabedoria de quem não aceitava o desânimo.


Em 1974, Naohito, que era o mais velho dos irmãos da família Tsuge, permitiu-se arriscar e fez inscrição para um projeto pioneiro nas terras do cerrado mineiro, encabeçado pela cooperativa de Cotia. O pai, já doente, aconselhou-o a seguir o caminho que ele julgasse melhor, mas pediu ao filho que não se esquecesse dos irmãos.


Naohito decidiu, então, fincar raízes em Minas Gerais, onde adquiriu três lotes (os chamados lotes 14, 15 e 18) no município de Rio Paranaíba. Ele tinha planos de plantar arroz, soja e café. Porém, o arroz sentiu a altitude elevada da região e a primeira colheita de soja não superou 10 sacas. Restou o café. O aprendizado veio com a prática e o uso de tecnologias apropriadas para as terras do cerrado mineiro.


Atualmente, Naohito supervisiona o Grupo Tsuge, que trabalha o cultivo do café, abacate e lichia. O cooperado tornou os lotes altamente produtivos. Para o sucesso da empresa ele conta com a dedicação de uma boa equipe e auxílio do irmão Masahito. O visionário enxerga no Brasil uma terra privilegiada e a agricultura promissora, mas é da opinião que não se pode ficar parado no tempo.